[CINE FIGUERA] PROGRAMAÇÃO DE ABRIL

CORREÇÃO: “Muito Além do CIdadão Kane” vai ser exibido dia 17/04 (abril), não 17/10!

AVISO DE GATILHO: Os títulos do Cine Figuera geralmente tratam de temas fortes, entre os quais estão racismo, lesbofobia, transfobia, exploração, elitismo, violência patriarcal, violência policial, etc.

O CineFig de abril vem só com títulos locais (‘brasileiros’) e temáticas bem variadas, como sempre a partir das 19h nas segundas-feiras. Não sabe onde é a Figuera? Manda um email pra figueira@riseup.net que a gente te explica! Agora, confere aí as sinopses do que vai rolar em abril:

03/04: “ESTAMIRA” (documentário, 2005, 120 min)

Estamira Gomes de Sousa. Estamira. […] Ela é, antes de tudo, uma representação da verdadeira humana em seu ser caótico. […] Suas palavras depõem contra o egoísmo humano, o proselitismo vazio das religiões, a intolerância, a falta de inteligência dos homens, a injustiça social dentre tantos outros temas de sua obra. Esquizofrênica. Não se cala, e dá lições ao mundo de que é possível se viver da melhor maneira, ao passo em que somos capazes de reinventar a própria vida.

10/04: “CASA GRANDE” (drama, 2014, 114 min)

“Casa Grande” retrata a história de Jean, um adolescente de classe alta que entra em contato tardio com o ‘mundo real’ através de Luiza, uma colega que abre seus olhos para as contradições dentro e fora da casa grande.
17/04: “MUITO ALÉM DO CIDADÃO KANE” (documentário, 1993, 90min)
Esse documentário denuncia o monopólio da informação e do uso político deste, exercido no Brasil pela mídia em geral e pela Rede Globo em particular. O título busca associar Roberto Marinho, considerado o marechal civil do golpe de 1964, ao personagem de Orson Welles, protagonista do filme “Cidadão Kane”.
24/04: “AS JUSTICEIRAS DO CAPIVARI” (documentário curtametragem, 2002, 10min) + VERA (drama, 1987, 95min)
As justiceiras do Capivari são um grupo de mulheres que tomou a frente na luta armada contra estupradores, na Baixada Fluminense (RJ).
“Vera” conta a trajetória real de Anderson Herzer, um poeta transgênero que esteve preso na antiga FEBEM.

ANIVERSÁRIO DA FIGUERA: 1 ANO OKUPANDO Y RESISTINDO

Quase aos fins de março do ano de 2016, sem pedir licença ou permissão pra ninguém, nasceu a okupa Figuera. Criou-se contra a apatia da civilização, contra os ataques constantes do patriarcado, contra a resignação geral na cidade, resistindo para existir. Ao longo desse tempo, muita coisa mudou no espaço físico e na subjetividade dos seres que a habitam ou já habitaram; foram muitas atividades movimentadas, oficinas, trokas de ideia, muito fogo e muita água já rolou por essa espaça que está prestes a completar 1 ano de vida. E muito mais ainda tá pra rolar! Enquanto a justiça dos homens ameaça a Figuera com um possível desalojo, nós celebramos sua (r)existência com uma semana de atividades. Chega aí!

13/03: SEGUNDA-FEIRA

16h: Karaokê
19h: Cine Figuera: “Nunca Fui Santa” (clique no título para ver a sinopse)

15/03: QUARTA-FEIRA

13h às 18h: Oficina de serigrafia com telas da Figuera. Traz tua camiseta pra telar!

20h: Desenho com modela viva. Traz tua caneta/lápis!

17/03: SEXTA-FEIRA

16h: Sarau/Slam (poesias autorais faladas e performadas, sem competição só emoção =p)

18h: Roda de RAP freestyle

20h: Palco aberto (pra música, malabares, teatro, dança, performances, poesias…!)

Nisso tudo, vai ta rolando um rango vegan à contribuição espontânea.

18/03: SÁBADO

20h: FESTA!! Vai ter bolo, parabéns e cachaça artesanal!

19/03: DOMINGO

Almoço coletivo de celebração. O preparo do rango começará a partir das 11h30, o horaŕio a ser servido é indefinido 😛